Ballet de Repertório : O espectro da Rosa

Estréia no Teatro de Monte Carlo, na França, em 19 de abril de 1911
com Vaslav Nijinski como o espectro da rosa e Thamara Karsavina como a jovem.

Estreou no Teatro Municipal do Rio de Janeiro na sexta feira, 17 de outubro de 1913, na estréia da Companhia de Bailados Russos, com os mesmo intérpretes da primeira récita mundial. Fez parte, portanto, do primeiro espetáculo de bailados em nosso principal teatro, tendo sido o terceiro apresentado.
A música é a conhecida peça de Weber Convite à Dança, ou também, como é chamada, Convite à Valsa.
O libreto se inspira no poema de Teófilo de Gauthier. Weber dedicou sua obra à noiva, Carolina Brandt.
Em 1841, Berlioz transcreveu a peça para orquestra.

O cenário nos mostra o quarto de dormir de uma jovem donzela. De um lado, uma ampla janela.
Do jardim vem uma fragrância amena de rosas.
Uma jovem entra no quarto, em seu vestido de baile, segurando delicadamente uma rosa.
Ela retorna de seu primeiro baile.
Senta-se para recordar e adormece. A rosa escorrega de seus dedos.
A música acelera e, pela janela aberta, entra o espectro da rosa.
Aí reside o momento capital do bailado, que Nijinski fazia como ninguém,
e os críticos de ballet ainda se lamentam de que os outros bailarinos não o fizeram:
o famoso salto por cima do peitoril da janela.
A jovem e a rosa dançam no sonho. Aos poucos, tudo vai se acabando.
O espectro da rosa sai pela janela, a moça acorda,
percebe que tudo não passou de um sonho e aperta a rosa contra o seio.

Comentários

FALE COM O MUNDO BAILARINÍSTICO

Nome

E-mail *

Mensagem *