Poema bailarina

Saia rodada,
sapatilha furada,
ponta esticada,
queixo pra cima.


Costela fechada,
barriga guardada,
Sequência está errada,
mas não desanima.

Cabelo arrumado,
Arco do pé levantado,
Plié é rotina.

Primeira posição,
Olhar acompanha a mão,
Quer ser bailarina.

Dryelle Almeida