Origem do Ballet do Teatro Mariinky

A Bela Adormecida
Por Janaína Barros

Ballet do Teatro Mariinsky

O nobre Ballet russo nasceu plebeu.

Em 1738, a imperatriz Anna Ioannova resolve fundar uma escola de dança naquele país, e convida o mestre da dança francesa Jean Baptist­Landé.

A principio o que hoje temos como Academia de Ballet Vaganova, era destinada somente
 a filhos de criados dos palácios.

Catarina II, sucessora da impreatriz Ionnova, promulgou um decreto transformando o Teatro Bolshoi em Teatro Mariinsky com a função de abrigar e fomentar o desenvolvimento das artes da opera e do ballet na capital de seu Império. Foram chamados os mas importantes mestres de bailado da Europa Ocidental, o que foi determinante para a criação do ballet russo!

Dando continuidade aos feito de Catarina II, seu filho Paulo I, trouxe de Paris, em 1801, Charles Lois Didelot, que foi apontado como arquiteto da dança de São Petersburgo. Didelot, permaneceu por 30 anos em Sant Petersburgo e produziu mais de 40 bailados, seguindo a moda vintage e com inspiração no filão mitologico.

Em 1837, em meio a grande agitação cultural, chegam à Russia o coreografo Fillipo Taglioni com sua irmã Marie Taglioni e sua rival Fanny Elssler (Austriaca). Quatro anos depois desembarcavam também na cidade Christian Johannsen, discipulo de August Bournoville.

Em 1848 Jules Perrot, o responsável pela revolução no ballet da Russia, apresentou aquele país a forma adequada de se montar um Ballet romântico e ressuscitou o Ballet D'action incorporando o romântismo e dando contrastes ao caráter das danças. Ampliou o repertorio da companhia com suas principais obras­primas que são preservados até hoje.

Jules Perrot foi sucedido, por outro excelente mestre de bailado, Arthur Saintt­Léon, que permaneceu em San Petersburgo por uma década. A criatividade não era seu fote, mas possuía grande facilidade para adaptações. De suas maiores obras, apena Coppélia sobreviveu.

Em 1847 chega a San Petersbugo Marius Petipa que foi o grande responsável pela eclosão final do Ballet local e pela criação de espetáculos que ainda hoje encantam o publico. Petipa, foi bailarino e coreografo e trabalhou com Perrot com quem aprendeu muito sobre a criação de bailados dramáticos. Sintetizou dois estilos de dança, Italiano e Frances; misturou a força e a personalidade de um, com a graça e a elegância do outro.

Esta simbiose aliada a temas russos e a sua musica apaixonada, deu origem a um produto hibrido: o Ballet acadêmico russo, que reunia o melhor de todos os mundos. A arte da dança deve ainda a Petipa o equilíbrio entre mimica e dança, os "ensembles do corps de Ballet" e as regras precisas nas sequencias de pas de deux. Graças a inspiração de Peitp nas virtusas bailarinas italianas visitantes e da ajuda de alguns eminetes pedagogos , como Christian Johannson e os grandes bailarinoproduzinos por ele , a cada temporada o ballet de sant Petersburgo intlado no Teatro Mariinsky (1886), atingiu seu apogeu de sua grandeza.

Ao final do sec XIX os bailarinos russos ja superavam e rivalizavam com os italianos e o Ballet de San Petersburgo mantinha seu alto padrão de excelencia e qualidade. Obras como La Bayadre e A Bela Adormecida refletiam toda pompa e beleza da corte com codigos e comportamentos longe do mundo real.

Nesse mesmo periodo, na Europa Ocidental, a arte do Ballet conhecia seu declinio e tornava­-se mero acessorio para operas ou ainda meras exibicões de bailarinos insensatos. Com a renovação politica do seculo XX o Ballet de San Petersburgo foi também alvo de mudanças. A nova sociedade emergente da revolução de 1917, demandava uma nova arte.

Tamara Karsavina, Anna Pavlova e Nijinsky,(bailarinos da empresa de Diaglev),  lideravam uma nova onda de genialidade na dança impondo uma nova imagem do Ballet russo, que sofreu também varias alterações internas. Quando a cidade tornou­se Leningrado, o teatro Mariinsky foi rebatizado de Teatro Academico e so veio a ser chamdo Kirov, após o assasinato do politico homônimo em 1935. Foi aí que o ballet defrontou­se com o desafio de sua nova identidade e tarefas.

A partir dos anos 20, Agripina Vaganova e o comissário Anatoli Lunacharsky, fizeram um arduo trabalho na preservação da tradição do Ballet. Nascia assim o ballet soviético, agora orientado para nova audiencia proletaria. Grandes estrelas do Ballet nesse surgiram nesse periodo, muitas delas saídas das classes de Vaganova.

Durante o cerco de 900 dias de guerra, sofrido por Leningrado, o teatro foi completamente danificado, sendo necessário a mudanças de todos seus bailarinos para Perm.

Depois da guerra, coreografos e bailarinos puderam novamente assumir sua importancia central, Leonid Jacobsen e Yuri Grigorovich faziam seus experimentos coreograficos enquanto Konstantin Sergeyev permaneceu como mestre das tradições classicas de repertório.

Em 1977 Oleg Vinogradov, passou 20anos como coreografo­chefe e diretor do ballet. Nesse perido realizou varias encenações entre elas O inspetor do Governo, Potemkin e o Cavaleiro com Pele de Tigre. Foi responsável pela expansão do repertório do Kirov para incluir obras importadas, especialmente ballets de George Balanchine, que foi nascido e educado em San Petersburgo e membro do Ballet até deixar a Russia, em 1924.

Em 1996 o Ballet do Teatro Mariinsky teve como diretor o regente da Opera Kirov Valerie Gergiev e em 2008 assumiu a direção Yuri Fateev. Hoje com a crescente integração da russia ao bloco ocidental o Ballet do Teatro Mariinsky permanece um marco e referencial obrigatorio para o todo o mundo do bailado. Um santuário e constante fonte de inspiração da dança clássica.












Comentários