135o Aniversário da Bailarina Anna Pavlova

Nasceu em 12 de fevereiro de 1881. Era uma criança franzina; apesar disso, aos 10 anos, foi admitida na Escola Imperial.
Desde a infância demonstrava um amor verdadeiramente excepcional pela dança. Foi sempre uma aluna exemplar. Aos 17 anos entrava no Teatro Marynsky, já tendo um pequeno solo, o que era uma posição privilegiada. Aos 20 anos era "premiére danseuse", aos 22 prima ballerina, juntamente com mais duas.

A última posição que restava para atingir era prima ballerina absoluta, que dessa época pertencia a Kchenssinskaya. Aos 22 anos outro fato importante aconteceu em sua vida: casou com Vitor Dandré.
Seu marido a acompanhou durante toda a sua vida. Desta época é que data o seu ballet "O Cisne" ou
"A morte do Cisne", com música de Saint-Saens e coreografia de Fokine.

Fokine criou esse ballet especialmente para ela. É realmente ele a essência de Pavlova.
Aos 26 anos, 1908, realizou uma turnê pela Europa, nos países do Norte, onde obteve grande êxito. Em 1909 foi a Paris com o Ballet Russo. Nesta temporada, dançaram juntos três grandes artistas: Pavlova, Nijinsky e Karsavina. Dizem que Nijinsky obteve mais aplausos do que Pavlova, assim como a crítica foi-lhe mais favorável, o que a deixou abatida e com inveja. Talvez seja verdade, talvez não. Muitos dizem que Pavlova queria brilhar sozinha, e o único desejo de sua vida era o triunfo. Entretanto, ela mesma diz que desejou sucesso, mas também desejava, quando estivesse morta, que a memória de sua dança vivesse na memória dos povos.



Pavlova era revoltada contra o academismo, assim como Fokine e Diaghileff. A diferença é que ela queria conversar com a espiritualidade da dança, e não cair nas inovações e modernismos de Diaghileff. Por isso mesmo, em 1910, rompeu com ele e formou sua própria companhia. Desde 1910 até 1931 levava aos teatros multidões imensas, apesar de possuir uma companhia de ballet relativamente fraca,
sendo ela o único expoente de valor. Nenhum outro ser humano fez mais pelo Ballet do que Anna Pavlova.
Nos seus vinte anos de turnês, ela dançou em toda parte do mundo para milhões e milhões de pessoas. Para todo esse povo, ela deu um pouco de si, para todos ela trouxe um pouco de felicidade.

Para a maioria, Pavlova era o primeiro contato com o Ballet, uma forma de arte que eles não conheciam, até que ela levou a eles. Para outros, ela foi a única bailarina que apreciaram, mas, para milhares e milhares,
ela serviu como um ideal que eles desejaram possuir. Ela foi a pioneira a cultivar platéias para o Ballet contemporâneo. Anna Pavlova e Nijinsky são considerados até hoje os maiores expoentes da dança.