Você no Mundo - "Vim contar minha história!" Por Nívia Xaxá

Olá membros desse mundo encantado do balé, preciso compartilhar minha história com vocês!


Sou Nívia Xaxá, tenho 23 anos, sou da cidade de Mossoró, Rio Grande do Norte, que é recheada de talentos dos mais variados aspectos da arte! Desde pequena eu apresentei falta de habilidade em qualquer esporte que tentava fazer, sempre fui encantada com o poder da dança, da arte, por sorte minha escola tinha (ainda tem) dança como modalidade esportiva, daí comecei minha “saga”.

Quando pequena eu fazia parte da dancinha, mas eu era gordinha e desajeitada, todo mundo ria de mim porque eu não conseguia fazer o que as outras faziam, por causa disso parei de tentar. Anos depois, quando eu já tinha 12 anos, voltei a tentar, o grupo estava diferente, evoluindo, ganhou até nome próprio, Diocecena. Passei seis maravilhosos anos aprendendo o que eu podia com esse grupo, que mistura estilos de dança, mas sempre foi mais relacionado ao contemporâneo. Não nasci com talento, mas tinha dedicação e apoio daqueles que faziam parte (muitos ainda fazem) do grupo. Hoje tal grupo é referência para os artistas da cidade, faz um lindo trabalho e já é reconhecido nacionalmente. Recomendo procurarem no Youtube alguns vídeos deles, vocês vão se apaixonar! 
Mas essa evolução não foi seguida por mim, porque quando completei seis anos de grupo tive que parar de dançar para me concentrar na faculdade de direito. Foi uma das decisões mais difíceis que fiz na minha vida, infelizmente passei três anos completamente longe de ensaios, dança, palco. Em 2015 eu me formei e, apesar de já ter passado no exame da OAB e já estar habilitada para advogar, decidi estudar para concurso público, na época a única atividade física que fazia era o pilates, que também é muito bom, mas não era o que queria. 
Eu gosto muito da liberdade que o contemporâneo nos dá, mas meu grande sonho sempre foi o balé clássico, subir nas pontas dos pés com toda delicadeza, mesmo precisando do máximo de força. Por sorte, na academia onde praticava pilates abriu uma turma para balé adulto (as filhas da dona são bailarinas e já tinha turmas infantis). Aproveitei que já estava formada, e que meus horários estariam mais maleáveis, e decidi encarar o desafio de voltar a dança, algo que pensava que havia ficado no meu passado. O ano de 2015 para mim foi de reencontro emocional, voltei a me sentir eu mesma simplesmente porque duas vezes por semana estava vestindo meia calça rosa, collant e usando sainha e sapatilhas. Hoje esta escola, a BioFit Academia de Dança, é destaque para o balé mossoroense. 

Tive a oportunidade de voltar aos palcos, uma participação não tão pequena, percebi que havia subestimado meu amor por tudo aquilo. No ensaio geral, lá no palco do Teatro Municipal, um filme me veio a mente, momentos importantes, meu sentimento poderia ser comparado ao de alguém que voltava para casa, o que é bem verdade. Nossa como eu estava com saudades daquele ambiente, daquele frio na barriga antes de entrar no palco, de sentir o cheiro de spray fixador e aerosol para lesões (loucura, eu sei kkk). Isso tudo aconteceu em 2015, esse ano eu já evolui, realizei o sonho das sapatilhas de ponta, comecei faz mais ou menos um mês, é tudo aquilo que imaginei: sofrido, muito sofrido, mas gratificante. À propósito, essa semana consegui fazer um pas couru tão decente que fiquei emocionada! Brevemente estarei realizando outro sonho, dançar um solo de contemporâneo.

Quero deixar bem claro que me orgulho de ambas as experiências que tive com a dança. Não é porque não voltei para o grupo que não gosto de trabalho deles, pelo contrário, ainda me emociono com cada apresentação deles, o aconteceu é que novas oportunidades surgiram e eu aproveitei o que vida estava me oferecendo naquele momento, em especial a oportunidade de dançar nas sapatilhas de ponta.

arquivo pessoal
Nesse meio tempo tenho me focada, profissionalmente, nos estudos para concurso público, o que é cansativo e, quase sempre, solitário, por isso decidi fazer um blog para mim chamado Bailarina do Fórum, porque une minhas duas realidades. Nada como o Mundo o Mundo Bailarinístico, apenas um espaço para contar experiências pessoais, em especial essa minha volta ao meu encanto mundo do balé.

Bailarinas ou possíveis bailarinas, nunca deixe que a vida atropele seus sonhos bailarinísticos, se te faz bem, se te faz se sentir viva, vá em frente e seja FELIZ!!!

Obrigada pela atenção de todos e vamos dançar!

Mande sua história: mundobailarinistico@gmail.com

Comentários

  1. Que história mais linda, me identifiquei bastante...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada por fazer parte do MundoBailarinístico!
Seja bem-vindo sempre!
Curta nossa FanPage: www.facebook.com/MundoBailarinistico
Siga nosso instagram: @mundobailarinistico

FALE COM O MUNDO BAILARINÍSTICO

Nome

E-mail *

Mensagem *