Você não é perfeita - Por Maria Cristina Lopes

Aqui é a Maria Cristina Lopes do ballet sem estresse e hoje quero falar com você sobre um pensamento muito comum nos bailarinos por aí e talvez você já tenha tido em algum momento e ele se refere à necessidade de perfeição.


São vários pensamentos que tem apenas um objetivo: avaliar se você está perfeito ou não. E basicamente nunca estamos. Nem sequer a primeira bailarina da sua companhia preferida é perfeita. Eu não sei exatamente quem é, mas confie em mim: não tem a menor chance dela ser perfeita. Pois eu parto de um princípio básico, mas que sempre esquecemos: ninguém é 100% perfeito (mas que redundância) o tempo todo!

Muitos alunos quando assistem ensaios abertos se surpreendem e saem de lá com um novo olhar sobre sua própria performance. Sim, solistas caem, tropeçam, esquecem a coreografia e tantas mais imperfeições. Uma bailarina muito admirada da escola onde trabalho uma vez caiu no palco (mas caiu muito feio mesmo!) e eu estava na coxia observando. Todos prenderam a respiração naquele momento. Você pode imaginar! Assim que ela saiu do palco, próximo a mim ela disse “agora sou uma bailarina de verdade!”. Por que sim, ela entendeu que bailarinas não são perfeitas e isso não quer dizer que não são capazes.

Muito pelo contrário! Mas precisamos ter um olhar mais realista sobre nós mesmos. Perceber o que está bom, o que precisa ser melhorado, a que precisamos dar maior atenção. Enfim: ter um olhar amadurecido para o ballet e o seu desenvolvimento. Se não nunca comemoraremos conquistas, nunca nos sentiremos satisfeitos, nunca cresceremos de verdade (sempre preocupados com nossa imperfeição) e sempre ficaremos acanhados de realizar, pois, afinal, “tudo o que não é perfeito é ruim” (pensamos).

Modificando esta simples cognição (preciso ser perfeita) é possível atingir grandes coisas. Mas não se engane: não é por que é simples que é fácil.

Maria Cristina Lopes
CRP 5/47829
Psicóloga da dança e do emagrecimento saudável