Ballet infantil - Por Simone Duarte

Olá professoras “Bailarinísticas”!
Conforme prometi na minha coluna do mês passado aqui no blog, seguem algumas dicas exclusivas para vocês que vivem neste “Mundo Bailarinístico” e buscam encantar suas pequenas pelo ballet!


Primeiro, uma reflexão: O brincar é o que faz uma criança feliz, se tirarmos isto dela o que sobra?
A palavra brincadeira pode ser usada como algo bom e como algo ruim, então, se alguém disser para a criança:

- Pare com a brincadeira e preste atenção no exercício!

Neste caso a brincadeira é algo errado, que não deve ser feito naquele momento e provavelmente este exercício não está atrativo, pois se fosse interessante, a criança estaria fixada no que está sendo proposto pelo professor. Mas se dissermos:

- Vamos brincar para aprender o exercício?

Agora nesta colocação a brincadeira se torna parte integrante da aula, pois através da brincadeira será possível aprender o que o professor vai ensinar.

Coloquei estes exemplos para que você possa perceber que a colocação das palavras faz muita diferença e além disso, se as crianças estão desatentas à sua aula, talvez você tenha que repensar e propor as atividades de outra forma ou elas simplesmente vão abandonar sua aula.

Agora falando sobre ballet, é possível conseguir resultados eficientes através de brincadeiras?

Segue uma sugestão (um exemplo de exercício) para tornar suas aulas mais atraentes. Uma forma divertida e eficaz para treinar saltos, onde o objetivo é saltar cada vez mais alto. Na Companhia SD Ballet as professoras utilizam círculos de lona para esta atividade, mas pode ser feita com qualquer material semelhante.

A professora marcará com os círculos os lugares de cada criança e dará um para que cada dupla segure, conforme se pode ver nas fotos.

Ao comando, todas deverão saltar tentando encostar a cabeça no círculo que a amiga está segurando, deve ser alto o suficiente para que ela tenha que fazer esforço, mas não tão alto que ela não consiga chegar.

Se queremos uma meia ponta linda, devemos proporcionar atividades para que elas consigam fazer isso. Queremos saltos? Devemos pensar de que forma atingiremos o salto desejado. E assim por diante, pois brincadeira é coisa séria e deve ser vista como algo fundamental para o crescimento e desenvolvimento das crianças.

Importante ressaltar que a brincadeira dentro da sala de aula deve ter objetivo e o professor deve saber qual é este objetivo, pois se for para brincar sem ter um objetivo pedagógico a criança pode ficar brincando em casa.

Minha conclusão sobre a reflexão inicial: Brincadeira é fundamental! Deve ser parte integrante e integral das nossas aulas, mas é importante SEMPRE saber o objetivo pedagógico/técnico da brincadeira, desta forma a criança estará feliz e você estará cumprindo seu papel de professora com excelência!

Na coluna do mês que vem vou abordar um outro assunto, fora do contexto pedagógico, mas essencial para quem tem (ou pretende ter) uma escola de ballet.
Você teve alguém que lhe ensinou a dançar! Se está lendo este artigo é porque busca por mais conhecimento para dar aula. Mas você que pretende ter, ou que já tem uma escola... quem lhe ensinou a administrar a escola?
Quem não sabe ballet será um fracasso dando aula!
Quem não sabe administrar... vai ter SUCESSO ou FRACASSO em sua escola?

A SD Ballet oferece cursos sobre administração de escolas de dança (e também cursos pedagógicos para professoras de ballet infantil), você pode se informar através do site www.sdballet.com.br e se disser que viu aqui no MundoBailarinístico, receberá por e-mail (no ato da inscrição) planilhas exclusivas de organização de aula.

Um beijo... até a próxima!

Comentários

FALE COM O MUNDO BAILARINÍSTICO

Nome

E-mail *

Mensagem *