Ballet infantil - Quando subir nas pontas?

Está aí um assunto que gera muita discussão. As crianças querem subir nas pontas; as mães muitas vezes também querem suas filhas usando as sapatilhas e ainda justificam "mas ela faz muito anos de ballet" ou "ela está aqui há muitos anos; alguns professores se rendem às chantagens para não perder alunas, outros são rígidos e mantém a posição. O fato é que o que certo é certo! Medo de perder alunas, fará perder outras alunas, isso é certo! Você pode ficar com as alunas que queriam subir na ponta, mas muitas pessoas irão ver que elas não poderiam estar nas sapatilhas e não respeitarão o trabalho do professor ou da escola.
O texto abaixo, retirado do Blog Saúde Infantil (sim, saúde!!!! Porque o mal uso da sapatilha de ponta trás danos à saúde de uma criança) fala um pouco sobre idades e condições.

"E quando começar a dançar na ponta? Como saber que uma bailarina está pronta para usar sapatilhas de ponta? Dançar na ponta é um objetivo muito importante na vida de uma bailarina clássica. Requer uma tremenda força das pernas e nos pés. Existem cinco dicas para se iniciar na ponta:

Idade da bailarina: Alguns especialistas dizem que a ponta só poderá ser introduzida após os nove anos de idade, no entanto, o crescimento e fortalecimento dos pés acontecem quando a criança se encontra entre 11 e 12 anos. Tudo depende da maturidade da bailarina.

Tempo de formação: não se pode começar uma carreira no ballet já nas sapatilhas de pontas. Antes, deve-se atingir a forma, força e alinhamento necessário para fazer uma transição bem sucedida, com a meta de evitar lesões.

Aulas na Ponta: com o objetivo de manter a técnica e flexibilidade para dançar na ponta, faz-se necessário o trabalho específico de ponta.

Preparação física para dançar na ponta: Toda bailarina deve ser avaliada por um professor competente para verificar se está pronta para atender as exigências do trabalho nas pontas: posicionamento correto do corpo, alinhamento, força, equilíbrio e domínio das técnicas básicas do ballet.

Maturidade emocional para dançar na ponta: como o trabalho nas pontas é muito duro, a criança deve estar preparada para ter bolhas, responsabilidade para manter as sapatilhas (visto que são mais complicadas), dedicação às aulas e responsabilidade.

Mas o mais importante de se lembrar é que a força de vontade da bailarina e o esforço feito é que permitirá com que esta esteja segura na hora de calçar as sapatilhas, sejam elas de ponta ou não, subir no palco e dançar levemente!"