Dança e Saúde - Quadril

O quadril é outra articulação intensamente exigida no Ballet, especialmente o movimento de rotação lateral (para fora) do quadril. Esse movimento, que é um dos principais movimentos do Ballet, requer grande amplitude de movimento articular, elevado grau de força da musculatura e controle do movimento. Toda essa exigência aliada aos rigores do treinamento favorece o aparecimento de lesões nessa região do corpo.
Por outro lado, a exigência constante desse movimento pode favorecer o surgimento de desequilíbrios musculares entre os músculos que rodam lateralmente o quadril com aqueles que o rodam medialmente (para dentro). Isso traz desequilíbrios tanto para o quadril quanto para outras articulações.

Além disso, a rotação lateral dos quadris é um movimento exigido no limite de sua amplitude, que quando não atingido pode promover compensações nas articulações da coluna (hiperextensão – ver a parte sobre anteversão da pelve, acima, na seção da coluna lombar), do joelho (rotação externa) e do tornozelo (pronação aumentada) para alcançar os graus de rotação não conseguidos. Essas compensações, porém, trazem sobrecargas e desviam as articulações em questão do seu alinhamento ideal. Isso favorece o aparecimento de dores e lesões nos praticantes.

O equilíbrio adequado do quadril é muito importante. Alterações desse equilíbrio trazem consequências não somente para o quadril, mas para outras articulações.

As lesões de quadril mais comuns no Ballet são:

. Síndrome do Piriforme
O músculo piriforme é um dos principais rotadores laterais do quadril. O Ballet exige muito esse movimento e, sendo assim, esse músculo é muito requisitado. Dessa forma ele pode acabar ficando muito tenso, e comprimindo o nervo ciático que passa próximo a ele. Isso vai gerar uma dor ciática, que desce pela coxa e perna, podendo chegar ao pé.

. Lesões do Labrum
O Labrum é um tecido que recobre a beirada do Acetábulo, que é a cavidade da bacia onde a cabeça do fêmur se encaixa para forma a articulação. Esse Labrum, devido aos movimentos repetitivos e extremos do quadril acaba sendo pinçado, comprimido, e pode se machucar. A principal origem das lesões do Labrum (também chamado de Lábio Acetabular) é o Impacto Fêmoro-Acetabular (ver abaixo).

. Síndrome do Ressalto do Quadril
Essa condição ocorre, frequentemente, na região lateral do quadril, pela passagem da Banda Íliotibial (faixa de tecido fibroso que desce pela lateral da coxa) por sobre o trocânter maior (proeminência óssea do fêmur, na altura do quadril). Isso ocorre durante os movimentos de flexão e extensão do quadril, sendo que uma Banda Íliotibial encurtada, possivelmente devido ao encurtamento dos músculos nos quais se origina (tensor da fáscia lata e glúteos), é um fator que predispõe a essa lesão. A Síndrome do Ressalto também pode ocorrer na região interna do quadril, mas nesse caso a mais freqüente causa é a passagem do músculo íliopsoas sobre uma proeminência óssea da bacia.

. Impacto Fêmoro-Acetabular
É o contato inadequado entre o fêmur e o acetábulo, podendo gerar dor e outras lesões. Ocorre devido aos excessivos movimentos de flexão e extensão de quadril, e sua predisposição aumenta devido a certas alterações anatômicas, como um acetábulo fundo ou um espessamente do colo femoral. É mais freqüente na região da frente do quadril, mas pode acontecer também na região posterior. Sua conseqüência mais perigosa é a Lesão do Labrum (ver acima).

. Fratura de Stress da Cabeça do Fêmur
As fraturas de stress da cabeça do fêmur são fraturas que ocorrem ao longo do tempo, devido aos movimentos repetitivos. Vão ocorrer, principalmente, devido ao apoio num pé só, seja durante os movimentos ou no amortecimento dos saltos. Elas podem ocorrer tanto na parte de cima como na parte de baixo do colo, sendo as primeiras mais graves, geralmente tratadas com intervenção cirúrgica.

 FONTE: Optima Fisioterapia