Dança e Saúde - Pés, tornozelos e pernas

Os tornozelos também são muito exigidos, sendo outra articulação que muitas vezes é requisitada nos limites de seu movimento articular. Isso promove não somente uma sobrecarga articular, podendo gerar pontos de atrito dos ossos, mas também uma sobrecarga da musculatura que controla e mantém as posições e movimentos exigidos.
Além disso, o tornozelo pode compensar déficits de falta de movimento do quadril (déficit de rotação externa), ficando assim ainda mais sobrecarregado. Por outro lado, limitações do movimento do tornozelo podem gerar sobrecarga em outras articulações (um tornozelo que tenha um menor grau de flexão ou de pronação pode forçar mais o joelho em flexão, por exemplo).

Os pés são formados por diversas pequenas articulações, e é não somente a origem, mas trajeto de diversos músculos. Suas articulações e músculos são também muito exigidos no Ballet, especialmente nas posturas em ponta de pé. Dessa forma, o pé é outro segmento do corpo que fica mais vulnerável à ocorrência de lesões.

As lesões de pé, tornozelo e perna mais comuns no Ballet são:

 . Síndrome do Stress Tibial Medial e Anterior (“Canelites”)
--- veja o artigo específico sobre Síndrome do Stress Tibial ---
São periostites, inflamação do tecido que recobre o osso, onde o tendão do músculo se fixa. No Ballet a repetida e contínua exigência dos músculos da perna nos movimentos e na manutenção do equilíbrio predispõe os dançarinos a esse tipo de lesão. A Síndrome do Stress Tibial Medial ocorre, principalmente, devido às exigências impostas ao músculo Tibial Posterior, enquanto na Síndrome Anterior isso ocorre devido à exigência sobre o músculo Tibial Anterior.

. Impacto Anterior e Impacto Posterior do Tornozelo
O Impacto Anterior do Tornozelo é o contato inadequado entre o tálus e a tíbia, ou entre esses ossos e tecidos, que ocorre na região anterior do tornozelo. Os repetitivos e excessivos movimentos de flexão de tornozelo são sua principal origem no Ballet. O Impacto Posterior do Tornozelo ocorre de maneira similar, na região posterior do tornozelo e pode envolver também o osso do calcanhar (osso calcâneo).

. Tendinopatias (de Aquiles, dos Fibulares, do Tibial Posterior, do Flexor Longo do Hálux)
As Tendinopatias são processos degenerativos dos tendões, que podem ou não se iniciarem através de um processo inflamatório (tendinite). Elas se originam da repetida e constante atividade imposta ao tendão devido à contração da musculatura e aos movimentos articulares. A Tendinopatia de Aquiles está ligada aos esforços realizados nos saltos, seja na impulsão quanto no amortecimento, no controle dos agachamentos, nos deslocamentos e posturas em ponta de pé. Os tendões Fibulares e o tendão do Tibial Posterior são exigidos pelos seus respectivos músculos, que controlam o equilíbrio em lateralidade do pé, tanto com o pé aplainado no solo, como nas posições e deslocamentos em ponta de pé. O músculo Flexor Longo do Hálux controla a posição do dedão, mantendo-o em ponta, posição constantemente exigida.

. Entorses de Tornozelo
O entorse é o termo que se usa para dizer que houve lesão de ligamentos, que são os tecidos que ligam osso a outro osso, dando estabilidade às articulações. O Ballet envolve saltos e muitas posições de apoio num pé apenas, e de apoio somente na ponta do pé. São movimentos que exigem do corpo, e de certa maneira colocam o tornozelo sob risco de torcer. Um desequilíbrio que o corpo não corrija adequadamente, a beirada do pé fica presa no solo enquanto o corpo cai em seu lado. Isso estica os ligamentos em demasia, levando à ruptura de suas fibras.

FONTE: Optima Fisioterapia