Ballet dói - Mas até onde pode doer?

A gente sabe que ballet dói, mas até onde pode doer? Intensidade e tipo de dor podem diferenciar um exercício dosado de um excessivo. Aquela dorzinha básica é comum após a prática dos exercícios, principalmente nos alongamentos, mas precisa observar o tempo dessa dor. Se ela durar demais pode ter se tornado lesão, aí é preciso tratar.


Quem pratica dança provavelmente já sentiu fortes dores musculares, que podem indicar uma carga acima da capacidade individual. Apesar dos benefícios que a atividade física oferece é preciso ter cuidado com os excessos.

O especialista em ortopedia Bernardino Santi explica como a intensidade da dor pode revelar a efetividade do exercício:  “Essa sensação de ‘músculo pesado’ pode significar que o exercício teve o efeito inverso e causou danos ao organismo. Esse desconforto pode ocorrer logo após a atividade ou, até mesmo, alguns dias depois. Ele costuma aparecer quando há uma mudança, retomada ou aumento de intensidade na atividade, e seus efeitos, positivos ou negativos, variam de acordo com a intensidade da dor”.

A Dor Muscular Tardia, por exemplo, é a mais frequente e  se caracteriza pela sensação de dor, cansaço muscular com diminuição da elasticidade muscular e diminuição de força nos músculos utilizados. Isso ocorre por consequência de microtraumas causados no tecido muscular.


Mas este sintoma indica que, necessariamente, o exercício não fez bem ao corpo? A dor muscular leve, após a prática de atividades físicas, é comum e não significa necessariamente lesão muscular. “Caso os sintomas de dor se agravem ou continuem por mais de cinco dias, um especialista deve ser procurado para indicar um tratamento e analisar mais profundamente o quadro, que pode significar um problema mais sério. Respeite os sinais de seu corpo e saiba dos seus limites”, observa  Santi.

Referência: Mais euilíbrio
 
Leia também: 


Comentários

FALE COM O MUNDO BAILARINÍSTICO

Nome

E-mail *

Mensagem *